Saúde do DF tem déficit de 25 mil profissionais, aponta relatório

HomeBahia

Saúde do DF tem déficit de 25 mil profissionais, aponta relatório

Enquanto a população enfrenta filas à espera de consultas e cirurgias nos hospitais, a rede pública de saúde amarga a falta de 25.133 mil profissionais no Distrito Federal.

O déficit não atinge apenas médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, mas também outras categorias importantes, como cirurgiões-dentistas.

Segundo pesquisa no Portal da Transparência do DF, em fevereiro de 2024, o Sistema Único de Saúde (SUS) local deveria ter 55.430 profissionais. No entanto, apenas 30.297 estão ocupados. O déficit de 25.133 profissionais indica que 45,5% dos cargos nas unidades da rede estão vazias, seja em postos de atendimento ou no serviço administrativo.

Veja o estudo: 

O estudo foi produzido pelo gabinete da deputada distrital Dayse Amarilio (PSB). Segundo a parlamentar, a falta de profissionais é uma das principais causas da crise crônica de atendimento na rede pública.

O problema não afeta apenas a população, mas também os servidores, que ficam sobrecarregados pelo excesso de trabalho.

A epidemia de dengue e o período sazonal de doenças respiratórias potencializaram a crise causada pela falta de pessoal, a exemplo do drama visto no Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib). Segundo a pesquisa, faltam 5.007 médicos, 844 enfermeiros e 5.908 técnicos de enfermagem.

O estudo joga luz em outras carreiras fragilizadas. A rede deveria ter 1.300 cirurgiões-dentistas, mas conta com apenas 649. O déficit é de pouco mais de 50% dos cargos.

No caso de analistas e técnicos em gestão e assistência pública a saúde, faltam, respectivamente, 3.471 e 3.376 profissionais.


0

Dengue

No caso da dengue, o estudo reforçou a precarização da força de trabalho necessária para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti, o transmissor da doença. A rede sofre com a falta de 2.399 agentes comunitários de Saúde (ACSs) e de 764 agentes de vigilância ambiental (AVAs).

A recomposição de quadros da Secretaria de Saúde foi apontada como uma das principais medidas necessárias para a contenção do avanço da dengue, em uma reunião promovida pelo Conselho Regional de Medicina do DF (CRM-DF) em 14 de março.

Secretaria aponta investimentos e nomeações

Em nota, a Secretária de Saúde afirma que “reconhece os desafios enfrentados e apoia seus profissionais”. A pasta argumenta que busca reforçar o quadro de profissionais com nomeações de concursados e temporários. Contudo, não mencionou qual é a previsão de convocações para 2024.

A secretaria também informou ter investido na melhoria do ambiente de trabalho para os servidores e na infraestrutura das unidades da rede pública.

Leia a nota completa da pasta:

“A Secretaria de Saúde do DF reconhece os desafios enfrentados e apoia seus profissionais. Dentre as ações desenvolvidas estão a nomeação de novos servidores em concursos públicos e contratações temporárias para suprir a necessidade de diversas áreas assistenciais. Em 2023, foram chamados 747 médicos de diversas especialidades, 241 enfermeiros, 132 cirurgiões dentistas e 565 especialistas em saúde, totalizando 1.685 nomeações. Já em 2024, foram realizados 700 novos chamamentos, sendo 90 médicos, 156 enfermeiros, 181 técnicos de enfermagem e 273 agentes de vigilância ambiental e atenção comunitária à saúde.

Ao longo da gestão, houve a construção e revitalização de unidades de saúde; desenvolvimento de estratégias para otimização dos processos e fluxos de trabalho. Também foi instituída a Política de Qualidade de Vida no Trabalho (PQVT), que tem por objetivo promover a atenção integral à saúde e a valorização dos servidores em sua totalidade. O atendimento nas tendas têm sido viabilizado através do direcionamento de profissionais de unidades básicas de saúde e também por Trabalho em Período Definido (TPD), que tem a finalidade de complementar as escalas de trabalho e promover a integralidade de saúde e adequada assistência à população.

A SES-DF reforça que tem envidado esforços contínuos para compatibilizar as escalas profissionais nessas unidades e prestar o atendimento necessário aos pacientes.”

Fonte: clique aqui.

Você gostou desse conteúdo? Compartilhe!

COMMENTS