Qual é a diferença entre a cobra-coral verdadeira e a falsa?

HomeÚltimas Notícias

Qual é a diferença entre a cobra-coral verdadeira e a falsa?

A cobra-coral verdadeira é venenosa, mas existem várias espécies que são bem semelhantes no padrão de cores, mas não têm veneno. Saiba como diferenciar

15 mar
2024
– 04h00

(atualizado às 04h15)

Não é exagero dizer que saber qual é a diferença entre a cobra-coral verdadeira e a falsa pode salvar a sua vida. Isso porque a cobra-coral de verdade é venenosa — a substância produzida, além de altamente tóxica, afeta o sistema nervoso e pode até paralisar o coração. Já a cobra-coral falsa não tem veneno. Confira todas as características que ajudam a diferenciar as espécies.



Foto: Bernard DUPONT/Wikimedia Commons / Canaltech

A coral pode ser considerada como um gênero da família das cobras Elapidae, enquanto outras cobras de diferentes famílias ficaram conhecidas como coral falsa por causa da semelhança na aparência (e ausência de veneno).

Cobra-coral verdadeira

Embora seja um dos animais mais venenosos, a cobra-coral verdadeira costuma ficar escondida dos seres humanos, nas vegetações ou embaixo das pedras. Também possui um comportamento tranquilo, então dificilmente dá o bote. 

A coral costuma habitar áreas tropicais, então pode ser encontrada no Brasil — mas não só. Também vemos espécies nos outros países da América do Sul e até em continentes como a Ásia e a África.

Veneno da cobra-coral

O veneno da coral gera sintomas como dormência no local da picada, visão turva e até dificuldade na fala. Com o passar do tempo, a toxina gera paralisia de determinados músculos, e pode afetar o coração ou o diafragma, dificultando a respiração.




A cobra-coral verdadeira é venenosa, mas dificilmente ataca (Imagem: Bernard DUPONT/Wikimedia Commons)

A cobra-coral verdadeira é venenosa, mas dificilmente ataca (Imagem: Bernard DUPONT/Wikimedia Commons)

Foto: Canaltech

Mas, felizmente, existe tratamento para a picada da cobra, o que envolve a administração de um soro chamado antielapídico, produzido pelo Instituto Butantan.

Cobra-coral falsa

Não há apenas uma coral falsa. Na verdade, várias espécies “imitam” os padrões de escamas tão característicos da verdadeira, como:

  • Falsa-Coral Serrana (Oxyrhopus clathratus)
  • Falsa-coral Amazônica (Oxyrhopus rhombifer)
  • Falsa-coral-nariguda (Xenodon histricus)

Um ponto importante é que nenhuma dessas espécies tem veneno (é justamente isso o que traz a fama de “falsas”). 



Cobra-coral falsa não tem veneno, e usa as semelhanças no padrão de cores para afugentar predadores (Imagem: Bernard DUPONT/Wikimedia Commons)

Cobra-coral falsa não tem veneno, e usa as semelhanças no padrão de cores para afugentar predadores (Imagem: Bernard DUPONT/Wikimedia Commons)

Foto: Canaltech

Apesar da ausência de veneno, as falsas corais podem morder se se sentirem ameaçadas, e a semelhança no padrão de cores é justamente para afastar os predadores.

Diferenças entre cobra-coral verdadeira e falsa

Para diferenciar a coral verdadeira da falsa, é necessário prestar atenção no padrão de cores. Apesar das semelhanças, não são exatamente iguais:

  • Coral verdadeira: anéis vermelhos, pretos e amarelos que se repetem ao longo do corpo. Geralmente, a sequência é vermelho, amarelo, preto, amarelo.
  • Coral falsa: aparência semelhante, mas com diferenças no padrão de cores, então podem ter anéis vermelhos e pretos separados por anéis brancos ou amarelos. A sequência de cores pode variar.

O vídeo abaixo ajuda a ver essas diferenças na prática.

 

Mesmo que agora você saiba qual é a diferença entre a cobra-coral verdadeira e a falsa, a orientação do Butantan é bem clara: se encontrar uma possível coral, não perca tempo tentando distinguir. “Afaste-se do local o mais rápido possível. Se estiver em ambiente urbano, avise as autoridades responsáveis. Caso seja picado por uma coral-verdadeira, busque atendimento médico imediatamente”, recomenda o Instituto.

Fonte: Indigo Expeditions, Florida Museum of Natural History, Instituto Butantan

Trending no Canaltech:

Fonte: clique aqui.

Gostou desse conteúdo? Curta e compartilhe!

COMMENTS