ONG exigem critérios rigorosos para hidrogénio com “baixo teor de carbono

HomeInternacional

ONG exigem critérios rigorosos para hidrogénio com “baixo teor de carbono

Artigo publicado originalmente em inglês

A Comissão Europeia foi instada a proceder a consultas alargadas e a adotar uma abordagem metódica na definição de novos “combustíveis com baixo teor de carbono”, receando-se que uma legislação elaborada à pressa possa promover a utilização insustentável de gás fóssil.

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia foi instada a não se apressar a aprovar legislação que defina quando é que um combustível pode ser considerado de “baixo teor de carbono”, uma questão que determinará quais as tecnologias elegíveis para apoio político e financeiro, com implicações de grande alcance para o futuro da indústria do gás natural.

Na sequência de um acordo político com delegados governamentais no final do ano passado, espera-se que o Parlamento Europeu adopte na próxima semana uma diretiva relativa aos mercados do gás e do hidrogénio, que dará ao executivo da UE um ano para responder à complexa questão de saber o que constitui um combustível com “baixo teor de carbono”.

Grupos ambientalistas, a que se juntou a indústria naval dinamarquesa, apelaram hoje (2 de abril) à Comissão para que adote uma “definição sólida de hidrogénio com baixo teor de carbono” que garanta condições rigorosas para o hidrogénio produzido a partir de gás natural em combinação com a captura de carbono.

Só através de um processo transparente, que coloque o conhecimento científico em primeiro plano, poderemos garantir que o chamado “hidrogénio azul” seja uma ferramenta significativa para a ação climática”, escrevem os grupos, entre os quais Transport & Environment, Environmental Defense Fund e o grupo de reflexão sobre o clima E3G.

Os grupos mostraram-se “profundamente preocupados” com os apelos à adoção da legislação delegada o mais rapidamente possível. Embora a diretiva relativa ao gás ainda não tenha sido formalmente adoptada, a Comissária Europeia da Energia, Kadri Simson, declarou que tenciona apresentar o ato delegado antes do final do seu mandato, no outono.

O hidrogénio, essencial numa série de processos industriais, é predominantemente produzido a partir do gás natural, com o equivalente a cerca de dez toneladas de CO2 emitidas por cada tonelada de H2 produzida – mais se forem tidas em conta as emissões a montante e as fugas de metano.

Os defensores do hidrogénio afirmam que a captura e armazenamento de carbono (CCS) pode ser utilizada para descarbonizar eficazmente a produção de hidrogénio a partir de combustíveis fósseis. Os céticos estão preocupados com o facto de a indústria do petróleo e do gás estar a promover o hidrogénio azul como um meio de prolongar a procura de combustíveis fósseis no contexto da transição para as energias limpas.

As ONG afirmam que o hidrogénio produzido a partir de gás fóssil só deve ser classificado como “de baixo carbono” se houver uma taxa muito elevada de captura de CO2 durante a produção, citando números que chegam aos 98%. Para além disso, pretendem estabelecer limites rigorosos para a fuga de metano a montante e proibir a utilização da compensação de carbono.

O Parlamento Europeu quer também que seja incluída uma cláusula que limite a produção de hidrogénio azul à capacidade de produção de gás natural já existente. “O hidrogénio com baixo teor de carbono não deve aprofundar a dependência da Europa em relação aos combustíveis fósseis. “Deve estar alinhado com a trajetória de redução gradual delineada na avaliação de impacto dos objectivos climáticos da UE para 2040”.

Arthur Daemers, gestor de políticas da Renewable Hydrogen Coalition e um dos iniciadores da carta aberta, disse à Euronews que as emissões devem ser medidas para todas as vias de produção antes de um combustível poder ser considerado de baixo carbono. “Precisamos desta avaliação exaustiva para garantir que apenas apoiamos as tecnologias que nos ajudam a atingir os nossos objectivos climáticos e estabelecer condições equitativas para o hidrogénio renovável”, afirmou.

Fonte: clique aqui.

Você gostou desse conteúdo? Compartilhe!

COMMENTS