Número de doadores de órgãos volta a cair em 2021, diz associação

25

O número de doadores de órgãos em 2021 foi 4,5% menor que o registrado em 2020. Segundo um levantamento que a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (Abto) divulgou hoje (9), a taxa de doadores efetivos por milhão de pessoas da população (pmp), que tinha atingido 15,8 pmp em 2020, caiu para 15,1 pmp no ano passado.

Em números absolutos, a diferença foi de 123 doadores a menos. Enquanto, em 2020, eles eram 3.330, no ano passado houve apenas 3.207 doadores. Uma redução significativa, segundo a associação, uma vez que o número de doadores já tinha diminuído bastante devido à pandemia da covid-19 – em 2019, foram 3.768 doadores efetivos e a taxa atingiu a 18,1 pmp, a maior desde 2010, quando estava em 9,9 pmp.

Segundo a Abto, a nova queda do número de doadores efetivos ocorreu na contramão do aumento das notificações a potenciais doadores de órgãos ou seus familiares. De acordo com a entidade, no ano passado, foram feitas 12.215 notificações – o melhor número já obtido, superando as 11.399 de 2019 (em 2020, já no contexto pandêmico, foram 10.639).

Para a associação, algumas das medidas adotadas para conter a disseminação do novo coronavírus, enquanto o mundo inteiro lidava com as incertezas quanto a melhor forma de enfrentar a covid-19, acabaram por impactar a doação e o transplante de órgãos, fazendo com que a taxa de contraindicação a doações aumentasse.

“A principal causa da queda na taxa de efetivação da doação foi o aumento de 60% da taxa de contraindicação, que passou de 15% em 2019 para 24% em 2021”, aponta a associação, em documento.

“Esse aumento [da taxa de contraindicação] se deve às medidas tomadas no início da pandemia para evitar a transmissão da covid-19 pelo transplante, pois o risco de transmissão era [então] desconhecido e poderia ser alto. Entretanto, [agora] já há dados suficientes na literatura [científica] sugerindo que esse risco [cirúrgico] é mínimo ou ausente, com exceção do transplante de pulmão e, portanto, as medidas devem ser revisadas”, acrescenta a associação, informando que, dos 12.215 potenciais doadores notificados no ano passado, 2.781 foram contraindicados.

Caso a taxa de 2019 (15%) tivesse se mantido, os casos contraindicados não passariam de 1.832, o que, considerando a taxa de efetivação das doações (2 pmp), corresponderia a potenciais 420 doações a mais.

Ainda segundo a Abto, no ano passado, tanto a taxa de transplantes renais (22,4 pmp) quanto a de fígado (9,6 pmp) recuaram 2% em comparação às de 2020. Já o transplante de córneas (60,2 pmp), cuja taxa caiu 53% em 2020, aumentou, em 2021, 77% – percentual que, embora elevado, a mantém 16% abaixo do resultado de 2019, antes da chegada do novo coronavírus ao país.

Situações parecidas com as dos transplantes cardíacos e pulmonar. Ainda que as taxas tenham crescido, respectivamente, 7% e 33%, continuam abaixo dos níveis registrados em 2019. Realizados em apenas seis unidades federativas, os transplantes de pâncreas aumentaram 12% neste ano, retornando à mesma taxa anterior à pandemia (0,8 pmp).

O Ministério da Saúde já tinha divulgado, no início de fevereiro, que, em 2021, o número de transplantes de órgãos realizados no país caiu em comparação com o ano anterior. Segundo a pasta, entre janeiro e novembro do ano passado, foram realizados 12 mil transplantes. Em 2020, no mesmo período, equipes de saúde executaram 13 mil procedimentos.

Ainda de acordo com o ministério, a lista de espera para transplantes de órgãos e córnea aumentou. Em 2020, 32.900 pessoas estavam aguardando para receber um órgão externo. Em 2021, o número subiu para 34.380 pessoas.

Em seu levantamento, a Abto aponta que só a lista de espera para o transplante renal (27.427) cresceu, em 2021, 2% em relação ao ano anterior, enquanto o ingresso em lista, que tinha caído 31% em 2020, aumentou 70% no ano passado – em parte, devido à demanda reprimida do período anterior. Em relação a outros órgãos, também foi registrado um aumento da procura.