Nísia diz que críticas à Saúde são motivadas por questões de gênero

HomeInternacional

Nísia diz que críticas à Saúde são motivadas por questões de gênero

Segundo a ministra, ter uma mulher à frente de um órgão com “orçamento e capilaridade” como o seu acentua machismo

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, disse nesta 5ª feira (21.mar.2024) que a pressão de representantes do Congresso Nacional sobre a sua gestão também tem motivação “evidente” em questões de gênero. Segundo Nísia, críticas motivadas pela demora na liberação de emendas parlamentares e pela sua liderança pouco “agressiva” fazem parte de um “ambiente de manifestação de machismo“.

“Com certeza, a questão de gênero está muito mais do que evidenciada no meu caso. Não tenho a menor dúvida. Isso não diz respeito a políticos de partido A ou B. Sou uma pessoa sem filiação, apesar de estar em uma posição de esquerda, mas vejo claramente, em qualquer ambiente, que a manifestação de machismo existe. No caso do Ministério da Saúde, com o orçamento e capilaridade que tem, claro que isso é mais acentuado”, disse em entrevista à CNN Brasil.

Nísia declarou que não mudará seu perfil de liderança para “reproduzir o padrão de que uma autoridade deve ser agressiva”. Disse que o tempo em que presidiu a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) foi suficiente para comprovar sua capacidade de gestão.

“Eu me considero uma liderança, não por uma avaliação minha, mas porque a prática diz isso. Ninguém exerceria a presidência da Fiocruz em condições tão adversas como as que tive, sem capacidade de liderança política e técnica. Temos que repensar esses modelos de autoridade”, afirmou a ministra.

Em fevereiro, o presidente da Câmara dos Deputados, deputado Arthur Lira (PP-AL), enviou 7 perguntas questionando os critérios seguidos pelo ministério para liberar as verbas a congressistas. Questionou se os tetos para recursos de atenção primária, de média e alta complexidade são os mesmos para emendas e transferências diretas.

Na justificativa do pedido, Lira disse que o sistema de acompanhamento dos recursos do ministério não é transparente. Aliados do presidente da Câmara citam critérios partidários na distribuição das transferências discricionárias e o envio de mais dinheiro para prefeituras comandadas pelo PT. À época, o Ministério da Saúde respondeu que o envio de recursos do FNS (Fundo Nacional de Saúde) a Estados e municípios utiliza “critérios técnicos” previstos na legislação do SUS (Sistema Único de Saúde).

A isso, somaram-se as exigências por resultado da parte do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante reunião ministerial na 2ª feira (18.mar.2024). O petista quer ver, principalmente, resultados efetivos na campanha de combate e imunização contra a dengue.

Ao longo do 1º ano de governo, duas ministras foram exoneradas e substituídas por homens que fazem parte do grupo político do Centrão no Congresso Nacional. Ana Moser, ex-ministro do Esporte, deu lugar a André Fufuca, do PP. Já Daniela Carneiro, ex-ministra do Turismo, foi substituída por Celso Sabino, do União Brasil.

Emendas parlamentares

Questionada sobre a sua relação com o Congresso Nacional, Nísia disse que tem priorizado o diálogo com os congressistas. Afirmou também que as emendas parlamentares, alvo de limitação de liberação no órgão, “são bem-vindas”.

“O Executivo tem que ter capacidade de executar suas políticas públicas, e o orçamento é uma peça fundamental. As emendas parlamentares são bem-vindas. Estamos nesse momento de divulgar todos os equipamentos do PAC Saúde, são muitos os pontos de destaque. Tenho buscado me reunir com líderes da nossa base do governo, já conversei com o presidente da Comissão de Saúde na Câmara dos Deputados. Esse é o caminho, manter o diálogo, mas considerando a estratégia de campanha do governo”, declarou.

Fonte: clique aqui.

Você gostou desse conteúdo? Compartilhe!

COMMENTS