Moradores querem vetar Carnaval fora de época no Lago Sul: “Sem noção”

HomeBahia

Moradores querem vetar Carnaval fora de época no Lago Sul: “Sem noção”

Moradores do Lago Sul entregaram um abaixo-assinado na administração do bairro nobre de Brasília para protestar contra a realização do bloco de Carnaval fora de época Adocica Meu Amô, previsto para acontecer no próximo sábado (20/4), no estacionamento do centro comercial Gilberto Salomão, localizado na QI 5.

Conforme apurado pela reportagem, o Projeto Adocica, sem fins lucrativos, com cunho social, é realizado em parceria com a Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF, por meio do Termo de Fomento nº 10/2024. O valor firmado para realização do evento foi de R$ 280 mil, oriundos do Fundo de Apoio à Cultura (FAC).

No documento, protocolado na segunda-feira (15/4), os moradores da região administrativa alegam que a autorização para realização do evento é “fora de hora e de noção”. Segundo eles, a festa causa barulho ensurdecedor, brigas, sujeira, confusões e engarrafam o trânsito.

“Fora de hora por promover aglomeração popular em meio a fortes epidemias de dengue e de Covid, e fora de noção por promover o caos em toda região do Lago Sul, não respeitar uma zona de silêncio, próximo de hospitais, perturbar a paz e sossego de quem paga o mais alto IPTU da capital e trazer para a comunidade a insegurança que esses eventos proporcionam”, protestam os moradores na carta.

Segundo os moradores, o fato de a administração ter autorizado tal festa causa revolta, visto que eles alegam não terem sido consultados a respeito da decisão.

“Solicitamos há muitos anos que esse Carnaval fora de época seja realizado em outro local que não no estacionamento do hangar 5, na QI 5, pois ali provoca um imenso transtorno que se transmite a todo bairro”, alegam.

Presidente da Associação de Moradores da QI 5 do Lago Sul, Carlos Guapindaia, disse que, por meio do documento, eles solicitaram que o evento seja cancelado ou, ao menos, transferido para outro local.

“É uma festa paga, em uma área pública, que não houve consulta pública alguma aos vizinhos. Estimamos que esse evento vai afetar, pelo menos, cerca de 200 casas da região. Os riscos poderiam ser minimizados em um local adequado para vizinhança e para os participantes do evento”, argumenta Carlos.

Para o empresário Alexandre Sampaio, outro morador do Lago, também preocupa a falta de estrutura do espaço para receber um bloco de Carnaval dessa magnitude.

“O local proposto é no quintal de algumas casas. A finalidade da região é residencial, espaço não foi feito para receber esses eventos. Quando não tem infraestrutura no local, teremos problemas de trânsito, carros mal estacionados nas calçadas das casas, ausência de estrutura de banheiros e ocorrências policiais dentro de uma área onde a gente mora”, ressalta Alexandre.

O outro lado

Procurada pela reportagem, a Administração do Lago Sul informou que o bloco Adocica Meu Amô é tradicional na cidade e foi incluído, em 2018, no calendário de eventos do Distrito Federal, por meio da Lei 6.178/2018.

“O evento em questão está programado para acontecer no próximo dia 20, das 14 às 24h. Trata-se do Projeto Adocica, sem fins lucrativos, com cunho social, realizado em parceria com a Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF, por meio do Termo de Fomento nº 10/2024. Os organizadores cumpriram todos os requisitos legais para o licenciamento e foram realizadas todas as consultas previstas no Termo de Fomento”, informou.

Representantes do Bloco Adocica Meu Amô, questionados, posicionaram-se contra a carta da associação por meio de nota:

“O Adocica é um bloco que existe há mais 11 anos. É um bloco que doa cerca de 3 a 4 mil cestas básicas. A entrada do evento é gratuita mediante a doação de uma cesta básica e termina às 22h, quando começa a lei do silêncio no DF. Oito pessoas da associação me ligaram e pediram desculpas pela carta. Ou seja, não foi unanimidade. Eles [a associação dos moradores] tentam limitar o Lago Sul a quem mora no Lago Sul”.

Horas depois, a organização enviou um novo posicionamento. Veja abaixo, na íntegra:

Em resposta à “Carta de Protesto” enviada pelo Movimento Moradores Ativos do Lago Sul ao administrador da região, a produção do Adocica Meu Amô repudia as insinuações feitas e o descaso social evidente demonstrado por alguns moradores em relação ao evento.

O Bloco Adocica Meu Amô é uma celebração festiva e beneficente que tem como objetivo principal arrecadar alimentos para instituições carentes do Distrito Federal, amparando famílias em situação de vulnerabilidade social com a distribuição de cestas básicas. Nosso evento sempre foi pautado pela solidariedade e pelo espírito comunitário, buscando contribuir de forma positiva para a comunidade do DF.

Compreendemos as preocupações com segurança, saúde pública e tranquilidade dos moradores do Lago Sul. Por isso, estamos comprometidos em adotar todas as medidas necessárias para garantir que o evento ocorra de forma responsável e respeitosa, garantindo a segurança e limpeza do local.

No entanto, é lamentável a postura de uma minoria de moradores do Lago Sul que se opõem ao evento, ignorando seu impacto social. Não é de se admirar que os mesmos sejam contra eventos beneficentes, sendo isso uma atitude de poucas pessoas, retrógradas e que não têm apreço pela vida fora da elite.

Agradecemos o apoio da comunidade ao longo dos anos e esperamos contar com a compreensão e colaboração de todos para que possamos realizar mais uma edição de sucesso, beneficiando aqueles que mais precisam.

Fonte: clique aqui.

Você gostou desse conteúdo? Compartilhe!

COMMENTS