Leia a íntegra da entrevista do presidente da Caixa, Carlos Vieira

HomeInternacional

Leia a íntegra da entrevista do presidente da Caixa, Carlos Vieira

Economista assumiu o banco estatal em novembro de 2023 e falou sobre planos de usar a instituição para ajudar no crescimento do país

O presidente da Caixa Econômica Federal, Carlos Vieira, 62 anos, está à frente do banco estatal desde novembro de 2023. Ao assumir o comando, disse que a instituição seria usada como indutora do crescimento econômico do país.

Vieira concedeu entrevista ao Poder360 na sede do banco, em Brasília, em 19 de março de 2024. O economista falou sobre os planos à frente da Caixa, o fomento ao esporte e o lançamento de produtos.

O presidente também comentou impasse em negociações envolvendo clubes de futebol como Flamengo e Corinthians, além de governança.

Leia abaixo da íntegra da entrevista:

Poder360: Quando o senhor assumiu, disse ter como objetivo usar a Caixa como instrumento indutor do crescimento da economia brasileira. De que forma isso será feito?

Carlos Vieira – “A Caixa tem vários mecanismos para fazer isso acontecer. Primeiro, dando continuidade ao crédito imobiliário. A Caixa tem oportunidade de ser grande indutor de geração de emprego. Colocamos quase R$ 200 bilhões em 2023 no crédito imobiliário, que tem essa característica de criar imediatamente emprego. Para este ano, temos um Orçamento muito importante, de R$ 175 bilhões para habitação. 

“Também temos o crédito das empresas, transferências governamentais, a questão relativa ao Pé de Meia, que a Caixa é o grande distribuidor desse programa e você está gerando renda, que é uma oportunidade de consumo. Há outros programas nossos ligados a fundos de sustentabilidade. Fomos o 1º banco a ter uma vice-presidência de sustentabilidade, e a Caixa tem R$ 750 bilhões em créditos sustentáveis. Há ainda a possibilidade de fazer captação externa.

“Nós também temos um fundo de investimento com a Secretaria do PPI [Programa de Parcerias de Investimentos], com R$ 300 milhões destinados à geração de projetos básicos para permitir que Estados e municípios criem seus projetos. Recebemos recentemente a visita do presidente do Banco Asiático [Jin Liqun] para termos uma maior inserção na matriz energética do país.”

Poder360: Há novas linhas de crédito programadas?

Carlos Vieira – “Temos que estimular as linhas de crédito estabelecidas. Há algumas demandas vindas do próprio governo federal para criar mecanismos de acesso à população de baixa renda. Há o e-consignado, que advém de uma avaliação de crédito mais barato. Também temos iniciativas de sustentabilidade voltadas a empresas, com o selo.”

Poder360: A Caixa tem um histórico de fomento ao esporte. O que sua gestão está programando?

Carlos Vieira – “Nós fizemos recentemente um convênio com a Confederação Brasileira de Basquete Feminino para destinar R$ 2,5 milhões para que seja o patrocinador master da Liga Nacional […] Há o esporte paralímpico, com recursos das loterias. Estamos juntos com a Confederação Brasileira de Atletismo e temos a ginástica artística. Muitos esportes olímpicos que a Caixa é parceira de primeira hora.”

Poder360: A Caixa pretende voltar ao futebol masculino?

Carlos Vieira – Há um contexto bem diferente do que houve no passado. Naquela época, não tínhamos a concorrência das bets. Dos 20 clubes da 1ª divisão [do Campeonato Brasileiro de Futebol], 18 são patrocinados por esse segmento. A Caixa prefere destinar seus recursos a outros esportes que não têm tanta assistência, mas não é descartado olharmos uma situação ou outra no futebol, na 1ª divisão.”

Poder360: Então, a Caixa mantém a possibilidade de patrocinar algum clube de futebol da Série A?

Carlos Vieira – “Como falei, há um conjunto de bets que já está fazendo esse papel.”

Poder360: Há possibilidade de patrocinar divisões inferiores do Campeonato Brasileiro?

Carlos Vieira – “É isso o que estamos estudando. A gente quer via Confederação [Brasileira de Futebol] e federações. Para concorrer com patrocínio master, os recursos ficariam muito pulverizados.”

Poder360: Sobre a volta da raspadinha: quando vai acontecer e qual é a expectativa de arrecadação?

Carlos Vieira – “Estamos em um processo de retomada desse segmento que está autorizado pelo Ministério da Fazenda. A Caixa tem exclusividade de exploração por 24 meses. Estamos finalizando todo o processo de organização das Loterias Caixa […] A raspadinha está pronta para comercialização, está sistematizada. Em torno de 30, 40 dias a gente coloca no mercado. No mês de maio, é mais provável isso.”

Poder360: E o número exato de arrecadação?

Carlos Vieira – “A arrecadação estimada para 2024 é de R$ 1,5 bilhão. Acho que vai ser um sucesso.”

Poder360: É a grande aposta da Caixa na parte lotérica para 2024?

Carlos Vieira – “Sim. Nós temos todo um planejamento para entrar no mundo das bets, e aí é um outro universo. Estamos considerando a possibilidade de iniciar a partir de 2025. A Caixa está autorizada como qualquer outra empresa a atuar no mercado das bets, seguindo a legislação estabelecida.”

Poder360: O formato da operação seria semelhante a casas de apostas?

Carlos Vieira – “Sim. Operar nos nossos ambientes lotéricos e também no ambiente digital. Nós vamos buscar um parceiro. Do mesmo jeito com a Lotex, vamos fazer um processo de chamamento. Quem estiver mais preparado será nosso parceiro na distribuição desse universo de negócios digitais.”

Poder360: A expectativa é de entrar nesse mercado em 2025. Trabalha com prazo de algum mês?

Carlos Vieira – “A gente quer concretizar a entrada na Lotex no 1º semestre de 2024 e, a partir do 2º semestre, começar todos os trabalhos de prospecção para entrar no universo das bets.”

Poder360: O produto específico já tem algum nome?

Carlos Vieira – “Ainda não chegamos neste ponto.”

Poder360: Há alguma estimativa?

Carlos Vieira – “Estimamos R$ 5 bilhões para 2025 e quase R$ 13 bilhões em 2026.”

Poder360: Sobre concurso: há alguma novidade?

Carlos Vieira – “Já está perto de 1,1 milhão de inscritos.”

Poder360: Sua gestão pretende abrir novos concursos?

Carlos Vieira – “Temos que consolidar 1º a entrada dessas pessoas. A expectativa é de entrarem 2.000 novos empregados no 2º semestre e outros 2.000 no ano seguinte. Mas é um concurso importante. Há 10 anos que a Caixa não realizava.

Poder360: Sobre a estrutura da Caixa Econômica em si: o senhor trabalha com a expansão de agências?

Carlos Vieira – “Sim. Nós temos todo um programa de expansão de agências, que contempla estudos em torno de áreas de abrangência, onde tem cerca de 100 mil habitantes. Estamos olhando para quem não está contemplado para poder reduzir o custo de deslocamento dos clientes, principalmente os beneficiários de programas sociais. Essas agências abertas permitirão que elas reduzam entre 10% e 20% daquilo que equivale a uma cesta básica. Elas economizariam algo em torno de R$ 70, R$ 80. Isso faz com que a renda da pessoa aumente e o dinheiro gasto fique na cidade.”

Poder360: O Corinthians tem uma dívida que supera R$ 700 milhões por causa do empréstimo que pegou com a Caixa para construir a própria arena em 2013. Há algum acordo feito para quitação?

Carlos Vieira – “A Caixa foi de fato responsável pela construção da Arena Corinthians. Existe um saldo devedor daquele bem construído lá em Itaquera (SP). Estamos retomando um processo de negociação para que a gente encontre um mecanismo para liberar o estádio, dar a sua garantia, desde que a dívida seja quitada com a Caixa. Temos algumas premissas e modelos de negócios que o Corinthians está avaliando.”

Poder360: Então, a proposta que o Corinthians apresentou não foi satisfatória?

Carlos Vieira – “Na realidade, o Corinthians não apresentou concretamente uma proposta. Estamos numa fase de diálogo com eles para encontrar um melhor termo de quitação dessa dívida.”

Poder360: Há interesse do Flamengo em construir um estádio em terreno da Caixa na zona portuária do Rio. O senhor se reuniu recentemente com o presidente do clube, Rodolfo Landim. Em que pé estão as tratativas?

Carlos Vieira – “Também estamos em fase preliminar para encontrar os termos de interesse comum. A área desejada, do Gasômetro, no centro urbano do Rio de Janeiro, é muito bem localizada. Nós temos alguns parâmetros porque a Caixa administra um fundo de investimento, onde há o chamado Cepac [Certificado de Potencial Adicional de Construção], e há uma relação direta entre o valor do Cepac e o metro quadrado. É uma conta aritmética.”

Poder360: O senhor avalia que chegará a alguma resolução até o fim do ano?

Carlos Vieira – “Eu acredito que sim.”

Poder360: Em janeiro, houve várias trocas nas vice-presidências do banco. Durante um bom tempo, foi cogitada a saída de Inês Magalhães da vice de Habitação. Essa saída está descartada por ora?

Carlos Vieira – “Inês é uma executiva de nome consolidado no sistema como um todo. É uma grande executiva, que está prestando serviço hoje para a Caixa. É responsável por uma das áreas mais importantes da Caixa. Nós temos 60% dos créditos concedidos pela Caixa na área imobiliária. Ela tem conduzido muito bem essa área, mas a vida é uma dinâmica. Eu mesmo não sei se eu vou estar aqui amanhã, depois. Faz parte da dinâmica da vida, mas hoje ela é uma executiva de grande valia da Caixa Econômica e está desempenhando muito bem seu trabalho na vice-presidência de Habitação.”

Poder360: No curto prazo, não teria chance de mudança nessa vice?

Carlos Vieira – “Promovemos as substituições necessárias e temos um quadro muito consolidado de executivos à frente das várias vice-presidências.”

Poder360: O senhor fala muito em foco na governança. Sua chegada à presidência se deu por indicação política e foi associada ao Centrão. No passado, a Caixa foi foco de escândalo de corrupção. O que fazer para que isso não se repita? Há alguma garantia de que isso não voltará a acontecer?

Carlos Vieira – “A Caixa tem todo um sistema de compliance. Nós temos fiscalização de diversos órgãos em torno da Caixa. Temos todo um trabalho de governança estabelecido na empresa. Somos fiscalizados por Banco Central, TCU [Tribunal de Contas da União], vários outros órgãos. Eu fui nomeado pelo presidente da República. Ele é o responsável pela nomeação e passo pelo crivo interno e externo.

“Minha convivência é natural. Acho que os políticos têm espaço, independente de sua configuração política, na Caixa. É a Caixa que eles escolhem para colocar os recursos do Orçamento Geral da União, e a Caixa é um banco público, tem essa feição de ser o maior banco público da América Latina, com um ativo de R$ 1,7 trilhão. A depender da nossa condição, nós queremos que a Caixa ajude o Brasil a crescer. É isso o que importa.”

Quem é Carlos Vieira

O economista Carlos Antônio Vieira Fernandes tem 62 anos. Nasceu em Lagoa de Dentro, na Paraíba.

É graduado em economia e estudos sociais pela Universidade Estadual da Paraíba. Tem mestrado em finanças pela Universidade de Sorbonne (França) e é doutorando pela Escola de Gestão da Universidade de Bordeaux (França).

Foi funcionário de carreira da Caixa de 1982 a 2017. Também foi diretor-presidente da Funcef (Fundação dos Economiários Federais), o fundo de pensão dos funcionários do banco.

Vieira presidiu os Conselhos de Administração da Codevasf e da CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos). Também integrou os conselhos da Vale e da Litel.

Também foi ministro interino das Cidades e Integração entre 2014 e 2015 e secretário-executivo dos 2 ministérios. Em novembro de 2023, assumiu a presidência da Caixa.


Leia também:

Fonte: clique aqui.

Você gostou desse conteúdo? Compartilhe!

COMMENTS