Infarto: sintomas, causas, tratamento e como evitar

HomeLifestyle

Infarto: sintomas, causas, tratamento e como evitar

Infarto é a morte das células do músculo cardíaco provocada pela obstrução total ou parcial de artérias coronárias, o que reduz o fluxo sanguíneo o fornecimento de oxigênio para o miocárdio, resultando em sintomas, como dor no peito que irradia para o braço, náuseas, suor frio ou palidez, por exemplo.

O infarto, também chamado de infarto agudo do miocárdio (IAM) ou ataque cardíaco, geralmente ocorre devido ao acúmulo de placas de gordura no interior das artérias coronárias, que acontece pela genética ou por fatores de risco como tabagismo, obesidade e alimentação desequilibrada.

Leia também: Infarto agudo do miocárdio: o que é, sintomas, causas e tratamento


tuasaude.com/infarto-agudo-do-miocardio

O infarto é uma emergência médica que pode colocar a vida em risco e, por isso, deve-se ir imediatamente ao pronto-socorro para fazer o tratamento recomendado pelo cardiologista com remédios, cateterismo ou angioplastia para regular a passagem de sangue para o coração.

Confira, no vídeo a seguir, as principais dúvidas sobre o infarto com o Dr. João Petriz:

Sintomas de infarto

Os principais sintomas de infarto são:

  • Dor do lado esquerdo do peito em forma de aperto, que irradia como dormência ou dor para o braço esquerdo ou braço direito, pescoço, costas ou queixo;
  • Palidez (rosto branco);
  • Enjoo;
  • Suor frio;
  • Tontura;
  • Sensação de queimação em um dos braços ou mandíbula;
  • Falta de ar;
  • Mal estar.

Os sintomas de infarto costumam iniciar de forma gradual, e piorando aos poucos, durando mais de 20 minutos. 

No entanto, em alguns casos, o infarto pode acontecer de forma súbita, com uma piora muito rápida, situação conhecida como infarto fulminante. 

Além disso, os sintomas de infarto em mulheres mais comuns são dor abdominal, tontura ou sensação de peso nos braços, muitas vezes sem sentir a dor no peito, podendo ser confundido com problemas menos graves, como gastrite, gases ou ansiedade.

Leia também: Infarto ou ansiedade: principais diferenças (e o que fazer)


tuasaude.com/infarto-ou-ansiedade

Como o tratamento tem que ser feito no hospital, assim que os primeiros sintomas surgem é importante chamar logo o SAMU, e se houver perda de consciência é importante que seja feita uma massagem cardíaca até que a ajuda médica chegue. Aprenda como fazer a massagem cardíaca corretamente.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico do infarto é feito pelo cardiologista ou clínico geral no hospital por meio da avaliação dos sintomas e resultado de exames como o eletrocardiograma, também chamado de ECG, e exames laboratoriais, como CK-MB, mioglobina e troponina. Veja mais sobre os exames que avaliam o coração.

Consulte o cardiologista mais próximo para avaliar o riso de infarto:

Cuidar da sua saúde nunca foi tão fácil!

Marque uma consulta com nossos Cardiologistas e receba o cuidado personalizado que você merece.



Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.


Foto de uma doutora e um doutor de braços cruzados esperando você para atender

Causas do infarto

Na maior parte das vezes, o infarto é causado pelo bloqueio total ou parcial de uma ou mais artérias coronárias, por placas de gordura, chamada aterosclerose, o que impede o fluxo sanguíneo e o fornecimento de oxigênio para o músculo cardíaco, levando a morte de células do miocárdio.

Leia também: 9 principais causas de infarto (e o que fazer)


tuasaude.com/causas-de-infarto

Além disso, o infarto também pode ocorrer devido a espasmos nas artérias coronárias, infecções ou danos no músculo cardíaco, ou dissecção (rompimento) de artérias coronárias. 

Fatores de risco para infarto

Os principais fatores que podem aumentar o risco de infarto, são:

  • Histórico pessoal de infarto ou de pré-eclâmpsia;
  • Histórico de infarto na família;
  • Hábito de fumar;
  • Pressão alta;
  • Diabetes mellitus;
  • Colesterol LDL alto ou HDL baixo;
  • Triglicerídeos altos;
  • Obesidade abdominal;
  • Síndrome metabólica.

Além disso, algumas doenças autoimunes, como lúpus eritematoso sistêmico ou artrite reumatoide, ou uso de drogas ilícitas também pode aumentar o risco de infarto.

Outros fatores de risco para o infarto são sedentarismo, depressão, estresse e uma dieta pobre em vegetais e frutas e/ou rica em gorduras.

Leia também: Dor no peito: 11 causas (e quando pode ser infarto)


tuasaude.com/dor-no-peito

Calculadora de risco de infarto

Use a calculadora abaixo e saiba qual o seu risco de sofrer um infarto:

A calculadora de risco de infarto é apenas uma ferramenta de orientação, não servindo como diagnóstico e nem substituindo a consulta com cardiologista.

Como é feito o tratamento

O tratamento do infarto é feito no hospital, com orientação do cardiologista, e tem como objetivo restabelecer o fluxo sanguíneo para o músculo cardíaco e evitar complicações.

Os principais tratamentos para o infarto são:

1. Uso de remédios

O uso de remédios para infarto é iniciado tão logo a pessoa chega no hospital, sendo geralmente feito com:

  • Antiagregantes plaquetários, como ácido acetilsalicílico;
  • Anticoagulantes, como heparina;
  • Opioides, como morfina, para ajudar a aliviar a dor;
  • Nitratos, como nitroglicerina, para aumentar a dilatação dos vasos sanguíneos, facilitando o fluxo de oxigênio para o coração;
  • Estatinas, para reduzir o colesterol;
  • Remédios para reduzir a pressão arterial e o trabalho do coração, como os betabloqueadores ou inibidores da enzima conversora de angiotensina.

Além disso, podem ser aplicados na veia remédios trombolíticos ou fibrinolíticos, como a estreptoquinase ou alteplase, para  dissolver o coágulo ou trombo que está obstruindo a artéria coronária.

2. Oxigenoterapia

A oxigenoterapia também é iniciada imediatamente assim que a pessoa chega no hospital, para aumentar a quantidade de oxigênio no sangue e reduzir o esforço do coração, sendo feito junto com o uso de remédios e monitorização intensiva da doença.

Esse tipo de tratamento pode ser feito com cateter nasal, máscara de oxigênio ou até mesmo ventilação mecânica, o que varia com a gravidade dos sintomas a presentados e saturação de oxigênio no corpo.

3. Cirurgia

A cirurgia para o infarto pode ser feita através do cateterismo cardíaco ou angioplastia coronariana, com colocação de stent, para desobstruir as artérias coronárias e restabelecer o fluxo sanguíneo para o miocárdio.

Além disso, em alguns casos, o médico pode indicar a realização de cirurgia de ponte de safena. Veja como é feita a ponte de safena.

Leia também: Como é feito o tratamento após o infarto


tuasaude.com/tratamento-do-infarto

Como evitar o infarto

Para prevenir o infarto, é recomendado:

  • Manter um peso adequado, evitando a obesidade;
  • Praticar atividades físicas regularmente, pelo menos 3 vezes por semana;
  • Não fumar;
  • Controlar a pressão alta, com remédios orientados pelo cardiologista;
  • Controlar o colesterol, com alimentação ou uso de remédios orientados pelo médico;
  • Tratar corretamente o diabetes;
  • Evitar o estresse e a ansiedade;
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas em excesso e o uso de drogas.

Além disso, é recomendado fazer um check-up regularmente, pelo menos 1 vez por ano, com o clínico geral ou cardiologista, para que os fatores de risco para o infarto sejam detectadas o mais breve possível, e feitas orientações que podem melhorar a saúde e diminuir o risco.

Leia também: 7 hábitos essenciais para evitar infarto e AVC


tuasaude.com/7-dicas-para-diminuir-o-risco-de-doencas-cardiovasculares

Possíveis complicações

O infarto pode causar complicações como arritmias, insuficiência cardíaca, pericardite, problema nas válvulas cardíacas, choque cardiogênico ou parada cardíaca.

Leia também: 7 sintomas de parada cardíaca e o que fazer


tuasaude.com/sintomas-de-parada-cardiaca

Por isso, é importante buscar ajuda médica ou ir ao pronto-socorro imediatamente assim que surgem os sintomas de infarto, para iniciar rapidamente o tratamento e evitar complicações que podem colocar a vida em risco.

Fonte: clique aqui.

Você gostou desse conteúdo? Compartilhe!

COMMENTS