Governo assina contratos do megaleilão de energia de 2023, que devem gerar R$ 21,7 bi em investimentos

HomePolítica

Governo assina contratos do megaleilão de energia de 2023, que devem gerar R$ 21,7 bi em investimentos


Certame, realizado em dezembro do ano passado, foi o maior da história do país. Investimentos devem ocorrer nos estados de Goiás, Maranhão, Minas Gerais, São Paulo e Tocantins. Torres de transmissão de energia elétrica no Pará
Paulo Santos/Reuters
O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, assinou nesta quarta-feira (3) os contratos do segundo leilão de transmissão de energia de 2023.
Realizado em dezembro do ano passado, foi o maior certame da história, com todos os lotes arrematados e previsão de R$ 21,7 bilhões em investimentos nos estados de Goiás, Maranhão, Minas Gerais, São Paulo e Tocantins.
Foram leiloados três lotes arrematados pela chinesa State Grid Brazil, a espanhola Celeo Redes e o consórcio brasileiro Olympus XVI –composto por Alupar e Mercury Investimentos.
LEIA MAIS:
Oferta de energia cresce mais que consumo, e Brasil ‘joga fora’ excesso; entenda
Governo quer prorrogar desconto em tarifas para usinas de energia renovável; entenda
Conta de luz cresce acima da inflação e pesa no bolso do consumidor; entenda de onde vem o aumento
É conhecido por “transmissão” o sistema que leva a energia gerada pelas usinas até os locais de consumo, conectando-se às redes das distribuidoras locais. Esse sistema corta o país e é operado pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).
Por meio de leilões, o governo contrata a construção e manutenção das linhas de transmissão e outros equipamentos. As usinas conectadas ao sistema usam essas linhas para fornecer energia.
Os investimentos bilionários em redes de transmissão estão associados à expansão das usinas de energia renovável no Brasil, principalmente solar e eólica no Nordeste e no norte de Minas Gerais.
Esses investimentos viram, em certa medida, tarifa de energia para os consumidores. Isso porque as empresas que vencem os leilões são remuneradas por meio de valores fixados pela Aneel.
E essa remuneração é um dos componentes da tarifa de uso do fio – paga por todos que usam o sistema, inclusive o consumidor residencial.

Fonte: clique aqui.

Você gostou desse conteúdo? Compartilhe!

COMMENTS