Em meio à guerra, Ucrânia não tem previsão para realizar eleições presidenciais

HomeInternacional

Em meio à guerra, Ucrânia não tem previsão para realizar eleições presidenciais

Em um outro mundo, a Ucrânia votaria neste domingo (31). Em um ano em que bilhões têm a oportunidade de votar, a população daria o seu veredito sobre a presidência de Volodymyr Zelensky.

Há cinco anos, o homem cujos talentos como ator, comediante e produtor o tornaram um nome conhecido na Ucrânia foi promovido ao cargo de presidente. Mas com as forças russas ainda dentro do país e milhões de ucranianos deslocados das suas casas, lutando nas linhas da frente ou vivendo no exterior, não há eleições à vista.

Alguns republicanos dos Estados Unidos tentaram fazer com que o próximo término do mandato de Zelensky, que acontece em maio, fosse outra razão pela qual a ajuda militar deveria ser suspensa.

O próprio Zelensky disse estar aberto à ideia, mas nos últimos meses deixou claro que não é algo que ele acredita que o país possa ou deva fazer. Embora domingo seja o dia em que a Constituição diz que a Ucrânia deveria votar, também não o permite fazer em tempos de guerra. A alternativa seria suspender a lei marcial durante o período eleitoral.

Na praça Maidan, em Kiev, em uma tarde de sexta-feira, está frio. O céu está nublado e há uma tempestade de granizo a caminho.

Este grande espaço aberto, através do qual corta uma das principais vias da cidade, foi o berço daquilo que os ucranianos chamam de Revolução da Dignidade – a revolta há dez anos que derrubou o líder pró-Putin do país, Viktor Yanukovych, e mudou o foco da Ucrânia em direção a Europa e Estados Unidos.

Mykola Lyapin, um estudante de 21 anos, está fumando antes que a chuva chegue. Ele teria votado em Zelensky há cinco anos se tivesse tido oportunidade e votaria nele agora. Ele não tem medo de que, quando chegar a hora, o presidente siga em frente.

“O nosso povo é livre e provamos isso em 2014, quando estávamos insatisfeitos com o presidente Yanukovych. Viemos aqui para Maidan, alguns até perderam a vida, mas conseguimos o que queríamos. Está nos nossos genes defender a nossa posição. Se as pessoas realmente acreditarem que Zelensky está governando o país há muito tempo, nós resolveremos o problema, mesmo que a guerra continue”.

Subindo a colina, em uma livraria que vende livros de receitas de Jamie Oliver, entre outros títulos, a psicóloga Kateryna Bilokon, de 42 anos, está conversando com uma amiga no pequeno café na frente da loja. Ela votou em Zelensky em 2019 e está feliz com seu desempenho. Ela é dissuadida de apoiar uma eleição devido ao custo.

Mykola Lyapin, à esquerda, e Kateryna Bilokon / CNN

“Seria um esgotamento para o orçamento do Estado; seria melhor redirecionar fundos para armar os nossos militares”, diz ela, acrescentando: “Não há ninguém que possa substituir Zelensky neste momento”.

“Não é o momento certo”, diz Zelensky

As pesquisas de opinião sugerem que há pouco apetite entre os ucranianos por votar – apenas 15% dos entrevistados disseram ao Instituto Internacional de Sociologia de Kiev no mês passado que o país deveria realizar eleições.

Em agosto passado, o presidente Zelensky foi questionado sobre a sua posição em uma entrevista na televisão ucraniana e se mostrou favorável à realização de uma votação.

“Há uma lógica nisso. Se defendemos a democracia, então devemos pensar nessa defesa, mesmo em tempos de guerra. As eleições são uma dessas defesas”, disse ele, reconhecendo ao mesmo tempo que uma votação poderia muito bem se revelar uma distração do objetivo principal de derrotar a Rússia.

Para um líder sensível às acusações de querer se manter no poder, e cujo apelo em 2019 resultou, em parte, de uma promessa de maior abertura e transparência democrática, encerrar o debate sobre eleições é um risco.

Mesmo assim, em comentários subsequentes, o presidente foi menos equívoco. “Agora não é o momento certo para eleições”, disse ele em novembro passado, e a sua posição não mudou desde então.

Oleksiy Koshel, do Comitê de Eleitores da Ucrânia, um grupo de pressão que procura defender os direitos democráticos, vê um cálculo político claro em funcionamento. Ele acredita que a equipe de Zelensky inicialmente queria realizar eleições porque o apoio do presidente era muito grande. Mas quando seu apoio começou a cair no final do ano, a liderança esfriou a ideia.

Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, fala com jornalistas durante visita à cidade de Bucha
Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, fala com jornalistas durante visita à cidade de Bucha / Metin AktaÅ/Anadolu Agency via Getty Images

Os últimos meses foram difíceis no campo de batalha para a Ucrânia. À medida que o Congresso dos Estados Unidos continua a hesitar sobre a nova ajuda militar, as eleições na Ucrânia foram incluídas no debate por alguns republicanos. Vivek Ramaswamy, que concorreu à nomeação do Partido Republicano para presidente, acusou Kiev de “ameaçar cancelar as eleições a menos que os EUA desembolsem mais dinheiro”.

O senador da Carolina do Sul, Lindsey Graham, apesar de ser um forte apoiador da ajuda à Ucrânia, também assumiu uma posição inequívoca, dizendo em uma coletiva de imprensa em Kiev no ano passado: “Quero ver este país ter eleições livres e justas, mesmo quando está sob ataque. O povo americano precisa saber que a Ucrânia é diferente. Esse foi um país muito corrupto no passado”.

Surpreendentemente, na sua última visita à Ucrânia no início deste mês, Graham moderou consideravelmente a sua posição, dizendo que agora compartilhava a posição de consenso entre os ucranianos.

“Todos com quem falei disseram que é preciso melhorar essa guerra antes de haver eleições. Isso faz sentido para mim, tendo estado no terreno”, disse ele.

Ruslan Stefanchuk, presidente do Parlamento da Ucrânia, eleito com o apoio do partido “Servidor do Povo” de Zelensky, articula a posição do governo. Em primeiro lugar, disse ele à CNN, não seria possível garantir que todos os elegíveis para votar tivessem a oportunidade de fazê-lo. Ele apontou para as 7 milhões de pessoas que se acredita terem deixado a Ucrânia desde o início da invasão em grande escala e para os vários milhões que foram deslocados internamente.

Mais sensíveis, talvez, são as pessoas que vivem no que a Ucrânia chama de territórios temporariamente ocupados. Isso representa cerca de 20% do país que está sob controle russo.

As impraticabilidades de facilitar a votação são claras, mas a perspectiva de avançar com uma votação nacional de qualquer maneira também seria profundamente preocupante para muitos.

Veja também: Imagens mostram a destruição da guerra entre Rússia e Ucrânia

Embora alguns ucranianos possam suspeitar discretamente que aqueles que ficaram para trás nos territórios ocupados o fizeram porque têm simpatias pró-Rússia, a aparência, no entanto, seria de abandono, de Kiev privando voluntariamente os direitos daqueles que procura libertar. Não é difícil ver como o Kremlin poderia explorar isso.

O outro grupo de pessoas cuja participação nas eleições constituiria um desafio são os das forças armadas, especialmente os que ocupam posições de combate na linha da frente.

“Seria injusto privar o direito de voto nas eleições aos soldados que defendem a independência do nosso país à custa das suas vidas e saúde”, disse Stefanchuk.

A CNN conversou por telefone com mais de meia dúzia de militares, a maioria lutando no leste, em algumas das partes mais ativas da guerra terrestre. Todos, exceto um, pensam que eleições agora seriam uma má ideia, embora não fosse por receios de privação de direitos próprios ou dos seus companheiros combatentes.

Em vez disso, é a perspectiva de incerteza que suscita maior preocupação, pelo menos entre os militares com os quais a CNN conversou. Embora todos aceitassem que a guerra poderia se prolongar por mais alguns anos, o que poderia significar que as eleições se tornariam inevitáveis, a atual situação de segurança tornou-a insustentável.

“Os militares temem que alguém decida realizar eleições, seja por razões internas, seja sob pressão dos países ocidentais […] Um vácuo de poder durante o período de transição pode representar uma ameaça à gestão dos militares e ao funcionamento do Estado ”, disse Oleksandr Voitko, servindo em uma unidade de drones.

Outro soldado, servindo na 47ª Brigada perto de Avdiivka, que preferiu permanecer anônimo, concordou.

“Eleger uma nova liderança do país nos enfraqueceria por um tempo, tenho certeza disso. Levaria algum tempo até que os cargos e as responsabilidades fossem transferidos e as pessoas mudassem, porque cada um irá querer nomear o seu próprio pessoal. Não temos muito tempo. A situação nesse ponto pode ficar muito instável”, disse o soldado à CNN.

Eventualmente, porém, os ucranianos retornarão às urnas. Os números de Zelensky podem estar fora dos seus máximos, mas ele continua popular; 64% dos ucranianos dizem confiar nele como líder.

Mesmo assim, Oleksiy Koshel, o defensor do direito de voto, acredita que, após dois anos de guerra, as pessoas estão começando a ultrapassar uma inclinação natural em tempos de crise para depositar confiança naqueles que estão no poder.

Ele espera que os políticos que emergem do exército, como o ex-comandante-em-chefe Valerii Zaluzhnyi ou figuras menos conhecidas, obtenham resultados recordes quando as eleições forem eventualmente realizadas.

Curiosamente, também, não é difícil encontrar pessoas em Kiev que acreditem que deveria eventualmente haver um acerto de contas para a invasão em grande escala da atual liderança política. Um jovem empresário que estava com sua esposa e filhos, que o visitaram brevemente vindos da Itália, onde observam os combates, foi severo com o presidente.

Ele não atendeu aos avisos sobre a Rússia, disse o homem, preferindo não revelar seu nome. O resultado, disse ele, foi que os seus próprios filhos, e os dos seus amigos, estão crescendo falando italiano ou tcheco porque a guerra os levou ao exterior em busca de segurança.

“Essas crianças deveriam falar ucraniano”, disse ele com uma mistura de raiva e tristeza.

*Com informações de Maria Kostenko e Victoria Butenko, da CNN.

Fonte: clique aqui.

Você gostou desse conteúdo? Compartilhe!

COMMENTS