Eduardo Paes admite erro ao nomear suspeito de envolvimento no caso Marielle

HomeInternacional

Eduardo Paes admite erro ao nomear suspeito de envolvimento no caso Marielle

Prefeitura do Rio de Janeiro iniciou uma série de exonerações de nomeados do deputado federal Chiquinho Brazão, o que desagradou ao Republicanos

Tomaz Silva/Agência Brasil
Eduardo Paes falou pela primeira vez sobre a prisão dos supostos mandantes do assassinato de Marielle Franco

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), admitiu ter cometido um equívoco ao nomear o deputado federal Chiquinho Brazão (sem partido-RJ) como secretário em sua gestão. Brazão foi preso pela Polícia Federal no dia 24 deste mês, sob suspeita de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) em 2018. Além de Chiquinho, a PF também deteve o irmão do parlamentar, Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ), e o ex-chefe da Polícia Civil Rivaldo Barbosa. Todos negam qualquer participação no crime. Paes afirmou que errou ao nomear uma pessoa sob suspeita e que exonerou Chiquinho assim que surgiram as primeiras notícias sobre o envolvimento de sua família no caso. “Foi um erro da minha parte, na constituição da aliança [com o Republicanos], a gente colocar uma pessoa sob suspeita. Todo mundo já tinha sido acusado de tudo [no caso Marielle], mas errei”, declarou.

cta_logo_jp

Siga o canal da Jovem Pan News e receba as principais notícias no seu WhatsApp!

Esta é a primeira vez que o prefeito se pronuncia sobre o assunto, após evitar comentários públicos sobre a prisão de seu ex-aliado. A prefeitura divulgou uma nota no domingo (24) informando que Chiquinho foi indicado pelo Republicanos, partido aliado de Paes, e que a administração municipal iniciou uma série de exonerações de nomeados do deputado federal. Apesar do silêncio inicial, sua conduta desagradou ao Republicanos. O partido cogita apoiar nas eleições para a Prefeitura do Rio a candidatura do deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ), aliado de Jair Bolsonaro. Eduardo Paes ressaltou a importância da aliança, mas reconheceu ter feito uma avaliação equivocada ao nomear Chiquinho Brazão. “Queremos alianças, mas as alianças têm que ter um limite.”

Publicada por Felipe Cerqueira

*Reportagem produzida com auxílio de IA

Fonte: clique aqui.

Você gostou desse conteúdo? Compartilhe!

COMMENTS