Análise: Biden tentará aproveitar atoleiro jurídico de Trump em busca pela reeleição

HomeInternacional

Análise: Biden tentará aproveitar atoleiro jurídico de Trump em busca pela reeleição

Donald Trump está realizando uma das campanhas eleitorais mais estranhas que os Estados Unidos já viram. Ele está vendendo bíblias, atacando juízes, ganhando bilhões de dólares no mercado de ações e se vangloriando de seu jogo de golfe.

Na quinta-feira (28), o ex-presidente viajou para Nova York para comparecer ao velório de um agente policial. Essa viagem permitiu a ele aprofundar a caracterização do que ele diz ser uma nação à deriva e assolada pelo crime sob o governo do presidente Joe Biden.

Mas não houve muita coisa na movimentada semana de Trump que se assemelhasse a uma campanha convencional para as eleições gerais — certamente não uma que pudesse abordar algumas das suas maiores responsabilidades enquanto ele procura voltar à Casa Branca.

Isso é um grande contraste com Biden, que essa semana encerrou sua viagem na Carolina do Norte após o evento do Estado da União — um dos mais importantes do calendário presidencial nos EUA.

Trump venceu nesse estado em 2020 e 2016, mas os democratas acham que podem conquistá-lo novamente.

Na noite de quinta-feira, o presidente deu uma demonstração de unidade democrata e invocou os dias de glória do partido em um evento em Nova York com os ex-presidentes Bill Clinton e Barack Obama, no qual a campanha disse ter arrecadado mais de US$ 25 milhões.

Essas quantias enormes podem ser cruciais no que provavelmente será uma disputa acirrada com Donald Trump, que poderá ser decidida por algumas centenas de milhares de votos em alguns estados.

Um participante do evento disse à CNN depois de sair da arrecadação de fundos que os três presidentes falaram repetidamente sobre a ameaça que um segundo mandato de Trump representaria.

Biden teria dito que o ex-presidente rasgaria a Constituição, fazendo ainda alusão ao comentário de Trump de que ele seria um ditador apenas no “primeiro dia”.

Vídeos divulgados pela campanha do democrata na manhã desta sexta-feira (29) mostraram um momento alegre em que o moderador Stephen Colbert comparou a agenda lotada de Biden com as atividades de golfe de Trump, bem como o alerta do atual chefe de Estado de que a democracia está “literalmente em jogo”.

Biden e sua equipe também têm abordado agressivamente a campanha a Trump em termos de política.

Eles usaram, por exemplo os argumentos da Suprema Corte sobre a restrição do acesso a um medicamento abortivo para acusar o ex-presidente de destruir os serviços reprodutivos das mulheres com a construção de uma maioria profundamente conservadora no tribunal.

Ressaltaram, assim, que a derrubada da lei Roe vs Wade, que regulava o direito ao aborto nos EUA, desencadeou uma cascata de consequências.

Trump: quebrando todas as regras, como sempre

Donald Trump sempre foi um ponto fora da curva. E sua recusa em seguir as regras de uma campanha normal é o ponto principal do seu apelo político entre os apoiadores que desprezam as elites governantes.

Biden está trabalhando em uma campanha tradicional, procurando reparar fissuras na sua coligação entre os jovens, os eleitores negros e os democratas insatisfeitos.

Mas a estratégia do candidato republicano pode ser melhor entendida nesse momento como uma fusão da sua defesa em vários casos jurídicos, nos quais ele afirma ser vítima de perseguição política, e como uma série de oportunidades destinadas a atrair a atenção que ele anseia.

Ex-presidente dos EUA Donald Trump / 14/02/2024 REUTERS/Sam Wolfe

Na segunda-feira (25), por exemplo, o ex-presidente optou por comparecer ao tribunal em Nova York e depois teve um ataque de raiva quando um juiz marcou a data do julgamento de um caso relacionado a pagamento irregulares a uma estrela de cinema adulto para 15 de abril.

O empresário estava de volta ao estado na quinta-feira, participando de um velório por um policial morto em Long Island. Posteriormente, ele descreveu o assassinato do agente como um “acontecimento muito triste” e aproveitou a ocasião para transmitir uma mensagem.

“Temos que voltar à lei e à ordem”, disse ele, procurando retratar os Estados Unidos sob Biden como uma distopia dominada pelo crime.

Mas, caracteristicamente, embora tenha utilizado uma retórica contundente, o ex-presidente não apresentou políticas específicas para melhorar a situação, como faria um típico candidato presidencial.

Na quinta-feira, criticou o adversário por não ter comparecido ao velório e tentou reviver a narrativa republicana de que os democratas não apoiam suficientemente a polícia, que o seu partido utilizou repetidamente na sequência dos protestos a nível nacional sobre incidentes de brutalidade policial contra homens negros.

“Acho que politicamente ele não pode apoiar a polícia. Acho que ele também está cometendo um erro”, pontuou Trump sobre Biden em entrevista após o velório. “Mas acho que politicamente a base dele não o deixará apoiar a polícia. E eu apoio a polícia”, adicionou.

Trump certamente irá acelerar o ritmo dos seus comícios à medida que as eleições de novembro se aproximam e ele precisa levar os eleitores às urnas.

E, na próxima, semana ele planeja fazer uma parada em um estado crítico: o Michigan, que venceu em 2016 e perdeu quatro anos depois.

O ex-presidente planeja fazer comentários na terça-feira (3) sobre o “banho de sangue de Biden na fronteira”, no que promete ser uma intensificação de sua abordagem extrema à imigração.

Trump comparece a velório de policial assassinado em Nova York
Trump em entrevista após  comparecer a velório de policial assassinado em Nova York / U.S. NETWORK POOL

Apesar do ritmo atualmente lento, a campanha do ex-presidente foi muito mais profissional nas primárias desse ano do que durante a sua candidatura à Presidência em 2016.

É muito cedo para dizer se o trabalho invisível que a campanha de Trump está realizando para construir organizações em estados-chave está abrindo caminho para um retorno bem sucedido ao Salão Oval.

Até agora, Trump tem feito poucos esforços para conquistar os apoiadores da ex-governadora da Carolina do Sul Nikki Haley que ainda está ganhando votos significativos nas eleições primárias, apesar de ter desistido da campanha.

E a recente tomada do Comitê Nacional Republicano pelo empresário parece tanto concebida para encontrar recursos adicionais para financiar sua defesa legal como para construir uma operação política.

Em um sinal de como as falsas alegações de Trump sobre fraude eleitoral infectaram totalmente o seu partido, aqueles que procuram emprego no comitê republicano foram questionados em recentes entrevistas se acreditam que as eleições de 2020 foram roubadas.

O conteúdo das perguntas da entrevista foi relatado pela primeira vez pelo Washington Post.

E, embora o ex-presidente tenha usado audiências pré-julgamento em seus vários processos legais para organizar fotos e se retratar como uma vítima perseguida, ele não terá escolha a não ser comparecer ao tribunal, a partir de 15 de abril, quatro dias por semana, enquanto durar seu primeiro julgamento criminal.

Isso pode demorar entre seis e oito semanas, durante as quais Biden terá em grande parte o percurso da campanha para si.

O ex-presidente dos EUA Donald Trump participa do julgamento de fraude civil da Organização Trump, em Nova York 07/12/2023 REUTERS/Mike Segar/Pool / REUTERS

Esse julgamento iminente, sobre acusações de falsificação de registos comerciais relacionados com suposto pagamento de dinheiro secreto, pode oferecer uma pista para outra das possíveis motivações de Trump para homenagear o policial morto Jonathan Diller.

Isso seria atrair cobertura favorável da imprensa em Nova York, semanas antes de um júri se reunir para deliberar seu destino.

Trump, que está agora sob uma ordem de silêncio parcial que o proíbe de atacar funcionários do tribunal, procuradores e as suas famílias, também lançou ataques nas redes sociais contra o juiz Juan Merchan e até se referiu à sua filha pelo nome em uma publicação na rede Truth Social.

A filha de Merchan trabalhou para campanhas democratas e, como resultado, o ex-presidente exigiu que o magistrado se retirasse do caso.

Os ataques verbais de Trump não se destinam simplesmente a intimidar. Podem muito bem afetar a segurança daqueles que ele visa, e fazem parte dos seus esforços mais amplos para retratar qualquer instituição — jurídica, política ou midiática — que tente responsabilizá-lo como ilegítima e disposta a pegá-lo.

E mais uma distração da sua campanha surgirá na próxima semana, quando o destino do império imobiliário do republicano voltar aos holofotes.

Algumas das propriedades do ex-presidente pareciam estarem prestes a ser confiscadas pela procuradora-geral de Nova York, Letitia James, na segunda-feira, à medida que se aproximava o prazo para ele depositar uma fiança no valor de quase meio bilhão de dólares para permitir que ele recorresse da perda do julgamento por fraude civil.

Mas o ex-presidente teve um alívio quando um tribunal de apelações concedeu 10 dias extras para que ele pague o valor, que foi reduzido para US$ 175 milhões.

O ponto alto da semana selvagem do ex-presidente pode ter sido o momento em que uma empresa resultante da fusão, incluindo as suas propriedades de comunicação social, estreou na Nasdaq, rendendo a ele vários bilhões de dólares – pelo menos no papel.

Há um problema, no entanto. O ex-presidente não poderá vender suas ações por seis meses.

E se ele eventualmente fizer isso, é provável que seu valor caia, potencialmente custando a ele e a todos os fãs do MAGA (Make America Great Again) que compraram os papéis.

Bandeira com a foto de Donald Trump na frente da Trump Tower / 01/10/2023. REUTERS/David ‘Dee’ Delgado/file photo

Biden tenta aproveitar desempenho pós-Estado da União

Ao contrário de Trump, Joe Biden tem feito campanha de uma forma que não deixa dúvidas sobre o que está em jogo nas próximas eleições.

Sua turnê estadual após o forte discurso do Estado da União no início deste mês teve eventos tão variados quanto a revelação de um enorme investimento em uma fábrica de processamento de chips da Intel no Arizona e o lançamento de um novo programa de saúde na Carolina do Norte.

O democrata e a vice-presidente Kamala Harris têm como alvo os eleitores negros, as mulheres e os mais jovens, em parte em resposta a pesquisas que mostraram fraquezas com sua coalizão vencedora em 2020.

Enquanto ele busca mostrar suas vitórias políticas, incluindo um projeto de infraestrutura bipartidário que a Casa Branca diz que desencadeará um renascimento na indústria pesada, Biden está sendo prejudicado por um sentimento entre muitos eleitores de que não estão aproveitando os benefícios de uma economia em recuperação.

A campanha do presidente também tem feito ataques duros ao rival essa semana, adotando um tom de escárnio aparentemente para ferir a dignidade de Trump e irritá-lo.

Biden, por exemplo, brincou sobre o “cabelo laranja” de Trump durante uma arrecadação de fundos a portas fechadas em Raleigh. E depois que Trump postou nas redes sociais que havia vencido dois torneios de golfe recentes, o presidente postou: “Parabéns, Donald. Uma grande conquista.

Joe Biden e Barack Obama na Philadelphia / 5/11/2022 REUTERS/Kevin Lamarque

Embora a equipe do presidente esteja claramente gostando de zombar de Trump, a intensidade crescente e o tom agressivo da sua estratégia sugerem que o presidente espera aproveitar um período em que Trump está distraído pelos seus atoleiros jurídicos para infligir sérios danos iniciais à sua campanha, que poderão ser significativos no final do ano.

Isso acontece em um cenário em que o democrata está atrás na intenção de voto em muitas pesquisas em estados indecisos.

O evento conjunto de Biden com os seus dois antecessores será provavelmente um prelúdio dos principais democratas para reunir agressivamente os eleitores democratas em apoio ao presidente no outono dos EUA, quando mais eleitores começarem a entrar em sintonia com as eleições.

No entanto, antes da aparição do presidente com Clinton e Obama, centenas de manifestantes se reuniram do lado de fora, indignados com o apoio de Biden a Israel e sua guerra contra o Hamas, que já matou mais de 30 mil palestinos, segundo o Ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas.

Vários manifestantes dentro do local também interromperam os comentários de Biden.

A fúria sobre o impacto da ofensiva de Israel, lançada após os ataques terroristas em solo israelense em outubro, ameaça prejudicar a participação dos eleitores progressistas e dos árabes-americanos no Michigan, um campo de batalha que Biden não se pode dar ao luxo de perder.

Mesmo com Trump aparentemente concentrado essa semana em praticamente qualquer coisa que não seja as eleições gerais, o presidente não consegue escapar aos seus graves problemas políticos.

*Com informações de MJ Lee e Donald Judd, da CNN

Fonte: clique aqui.

Você gostou desse conteúdo? Compartilhe!

COMMENTS