Segundo a prefeitura de São Paulo, em 2022, houve um aumento de 85,44% na quantidade de atendimentos na rede municipal de saúde de pessoas em busca de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (Pics), em comparação com números de 2019. Foram atendidas, ao longo de todo o ano, mais de 465 mil pessoas.

As Pics são ações de atenção à saúde que objetivam a promoção do cuidado integral, a prevenção de doenças e a recuperação da saúde com ênfase na escuta acolhedora, na construção de laços terapêuticos e na conexão entre os indivíduos, o meio ambiente e a sociedade.

Ainda de acordo com a prefeitura, desde 2001, quando foi criada a área técnica da Saúde Integrativa, tem sido gradativamente ampliada a oferta de modalidades de Pics nas UBSs (Unidades Básicas de Saúde), em alguns estabelecimentos de atenção especializada e em alguns hospitais municipais, visando expandir os recursos terapêuticos integrativos existentes no SUS (Sistema Único de Saúde) da cidade de São Paulo.

Hoje, são disponibilizadas gratuitamente na rede municipal de saúde, entre outras, práticas da medicina tradicional chinesa, como acupuntura e auriculoterapia, e da medicina tradicional indiana, como ioga.

“Considero a ampliação da oferta de Pics na rede pública de saúde uma iniciativa fundamental para garantir a qualidade de vida da população”, avalia Reginaldo de Carvalho Silva Filho, diretor-geral da Faculdade EBRAMEC, na qual são ministrados cursos livres, de formação, graduação e pós-graduação em diversas áreas, em práticas da medicina tradicional chinesa inclusive.

Popularização da acupuntura e formação

Reginaldo de Carvalho Silva Filho destaca que, graças à popularização da acupuntura ocorrida nos últimos anos, em grande parte devido ao aumento na quantidade de informações disseminadas por meio das redes sociais, cada dia mais pessoas conhecem e se beneficiam dessa técnica, que consiste na aplicação de agulhas em pontos específicos da superfície do corpo com finalidades preventiva e terapêutica.

Na Biblioteca Virtual em Saúde, composta por uma rede de fontes de informação em saúde na América Latina, há um Mapa de Evidências da Efetividade Clínica da Acupuntura que demonstra efeito positivo dela para uma série de desfechos clínicos, como menopausa decorrente da quimioterapia, arritmias cardíacas, sequelas de acidente vascular cerebral (AVC), Doença de Alzheimer, obesidade e asma.

Como diretor-geral de uma instituição de ensino, o especialista reforça a necessidade de formar profissionais bem capacitados para atuar na área da saúde integrativa e manter elevados os padrões dos resultados clínicos. “Os estudantes que desejam ingressar em cursos nessa área devem se preocupar em escolher uma instituição que lhes ofereça boa infraestrutura e seja reconhecida por órgãos oficiais, como o MEC [Ministério da Educação]”, aconselha.

Reginaldo de Carvalho Silva Filho, que também integra as diretorias da Federação Mundial de Sociedades de Medicina Chinesa e da Federação Mundial de Sociedades de Acupuntura e Moxabustão, defende que é preciso levar adiante as possibilidades e os conhecimentos oferecidos por essas por essas práticas integrativas e complementares.. 

“Integrando a herança histórica da medicina tradicional chinesa com as inovações tecnológicas na medicina, os pacientes certamente poderão ter muitos benefícios em seus cuidados de saúde”, conclui.

Para saber mais, basta acessar www.ebramec.edu.br

294396?partnerId=3799